Turbine seus conhecimentos!

Empresas que enriquecem têm funcionários mais engajados – e vice-versa

Entre os fatores que mais contribuem para deixar as equipes satisfeitas estão as recompensas, identificação com a liderança e oportunidades de carreira.

Com a melhora da economia, os funcionários estão mais motivados nas empresas em que trabalham. O índice de engajamento é o maior desde 2011, de acordo com uma pesquisa da consultoria e corretora de seguros Aon.

O aumento tem relação com a melhora da economia e, consequentemente, com a alta da receita nas empresas. Empresas que enriqueceram viram a motivação de seus funcionários subir. A pesquisa aponta que um aumento de 3 pontos nos lucros está diretamente ligado a um crescimento de 5 pontos no engajamento no ano seguinte.

“As companhias passaram a investir no capital humano e bem-estar dos funcionários, pois perceberam que o colaborador engajado e verdadeiramente feliz se doa e entrega mais do que o esperado. Em um cenário macroeconômico ruim, esses são fatores que fazem a diferença no balanço final de cada organização”, esclarece Daniela Junqueira Segre, líder de consultoria em talento e engajamento da Aon Brasil.

Funcionários mais engajados falam bem da empresa para outras pessoas, ficam na companhia por mais tempo e têm resultados melhores, diz a pesquisa.

As empresas, portanto, vivem um ciclo virtuoso. Quanto maior o crescimento da receita, maior o engajamento. Ao mesmo tempo, funcionários motivados produzem mais e ajudam no avanço da companhia.

Entre os fatores que mais contribuem para deixar as equipes satisfeitas com o trabalho estão as recompensas e reconhecimento, identificação com a liderança e oportunidades de carreira. Uma das surpresas este ano foi o aumento da preocupação com o futuro dos funcionários. Eles querem maior exposição à liderança sênior e estar mais próximos das decisões estratégicas, diz o documento.

A pesquisa

O engajamento cresce desde 2002, com apenas uma pequena queda em 2016 principalmente por conta da crise econômica e dificuldades financeiras das companhias.

Cerca de 65% dos colaboradores está altamente engajado ou engajado, contra 21% que estão passivos e 14% ativamente desengajados. No ano anterior, o índice era de 63%.

Algumas regiões foram mais responsáveis por aumentar o nível global de engajamento. O índice cresceu 2 pontos na Europa, 3 na Ásia e 5 na África e se manteve estável nas Américas. A América Latina é a região que tem as equipes mais motivadas: o índice é de 75% na região. O Brasil viu uma queda no nível de engajamento, consequência da crise e redução do PIB no país em 2016.

O relatório avalia o engajamento de funcionários de mais de 1 mil organizações em todo o mundo, de diferentes tamanhos e mais de 60 setores estão representados. Seus dados são provenientes de mais de 8 milhões de respostas coletadas em 2016 e 2017.

 

Compartilhado de: Revista Exame

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *